Kingo Labs
Rasputin
Início » Sobrenatural » Rasputin: conheça a história do místico russo

Rasputin: conheça a história do místico russo

Pelo mundo é possível encontrar diversas histórias de pessoas que afirmam ter poderes sobrenaturais e tentam provar isso de alguma forma. Da Rússia vem um ótimo exemplo, que fez fama no século passado. Rasputin foi um místico, que teria a capacidade de curar pessoas e quando tentaram matá-lo, foi bem difícil. Quem foi Rasputin? Quer saber mais sobre ele? Confira abaixo.

Quem foi Rasputin?

Grigori Rasputin nasceu num local chamado Pokrovskoie, no dia 21 de janeiro de 1869 e morreu em Petrogrado, atualmente conhecido por São Petersburgo, uma das maiores cidades da Rússia, no dia 30 de dezembro de 1916. Foi um místico, sendo considerado um dos melhores da história no que fazia. Ao longo dos anos se tornou uma das figuras mais importantes da política do país, já que era um amigo pessoal do czar Nicolau II.

Veja também – Vampiros existem? Conheça as principais evidências

Rasputin parecia ter alguns poderes sobrenaturais, que apareceram principalmente quando ele foi morto. Aliás, foram várias tentativas até que alguém conseguisse colocar um fim em sua vida. Ele foi polêmico e não tinha muita gente que gostasse do seu estilo festeiro. Sem dúvidas seu nome ficou marcado na história do maior país em extensão territorial do mundo.

Adolescência de Rasputin

Depois de passar alguns anos em sua terra natal, Rasputin partiu para o mosteiro de Verkhoture, nos Montes Urais, onde se tornaria um monge. Porém, nunca chegou a concluir o seu objetivo e encerrou os estudos para se casar, aos 19 anos, com Praskovia Fyodorovna, tendo três filhos com a mulher. A ida para São Petersburgo aconteceu em 1906, onde dois anos depois conheceu o czar Nicolau II e sua esposa Alexandra.

Rasputin na política

Em 1905 Rasputin já era conhecido em todo o território do país e conseguiu ganhar espaço na Corte Imperial Russa, onde muita gente pensava que ele havia salvo a vida de um dos filhos do czar, Alexei Romanov. O menino era hemofílico e após a cura, Rasputin ganhou influência, passando a ser conhecido até mesmo como “mensageiro de Deus”. Na corte, recebeu diversas denúncias, já que segundo consta, gostava de praticar orgias.

Pessoas também afirmavam que Rasputin tinha causado um certo distanciamento entre o povo russo e os monarcas que governavam. Além das orgias que ele organizava sendo um homem casado. outra questão polêmica é que talvez ele tivesse um caso com a czarina Alexandra Feodorovna, há quem suponha que esse sim era o motivo de ele estar sempre por perto e não a cura do menino.

Como funcionava a cura de Rasputin?

Atualmente ainda existem pessoas que estudam sobre a vida de Rasputin. A versão mais comum diz que ele tinha habilidade de acalmar o garoto, fazendo assim que os sangramentos reduzissem. A pressão sanguínea era diminuída e então parecia que o místico tinha habilidades curandeiras. Também se acredita que ele tinha a capacidade de realizar hipnose, outros pensam que ele fazia uso de magia negra.

Rasputin adorava um rabo de saia

Além dos envolvimentos com orgias e prostitutas, outra fama que o místico tinha era de conseguir livrar mulheres de seus pecados, desde que elas dormissem com ele. Com o passar dos anos, diversas mulheres o procuraram pensando em atingir a graça divina. Essa questão fazia aumentar a sua impopularidade entre os nobres.

Atentados conta Rasputin

O homem ganhou fama e poder na Rússia, numa época que em que o país era ainda mais perigoso do que hoje. Essas histórias aconteceram antes da Revolução Russa, que implantou o socialismo no país e transformou a nação. Naquela época um monge lançou uma previsão dizendo que o território cairia em desgraça na Primeira Guerra Mundial. O czar saiu para batalhar e deixou o poder com sua esposa.

Assim que o monarca saiu, começaram as tentativas de assassinar Rasputin. A primeira vez que tentaram matar o místico foi em 1914, quando uma prostituta lhe esfaqueou. A lenda diz que Rasputin chegou a cair no chão, mas acabou sobrevivendo enquanto a mulher comemorava a morte. Dois anos mais tarde um grupo de nobres arquitetou um plano para executá-lo e quase deu certo.

Rasputin foi convidado para ir até a residência de um deles e lhe foi servido um banquete pelos serviços prestados a coroa. Os alimentos oferecidos estavam todos envenenados, assim como o vinho, numa quantidade bem maior do que a suficiente para levar um homem adulto ao óbito. Ele comeu e não demonstrou nenhum sinal de que estava sentindo os efeitos desejados pelos carrascos. Resolveram apelar e deram um tiro.

Rasputin sobreviveu

Quem estava presente na cena repassou a história. Rasputin ficou caído no chão e depois de algum tempo abriu seus olhos e saltou contra um dos homens que havia tentado lhe matar. Neste momento os outros nobres atiraram várias vezes contra o suposto místico, que parecia estar provando os seus poderes perante várias pessoas.

Rasputin morreu afogado

Além de ser espancado, arrancaram o seu pênis, depois enrolaram o corpo num tapete e jogaram em um rio parcialmente congelado que passava por perto. Três dias depois o cadáver foi encontrado e levado para fazer os exames de necropsia. Para surpresa de todos, a perícia apontou que não foram as balas, o veneno ou os golpes que mataram o homem, e sim a água, ele teria morrido afogado após sofrer hipotermia.

Rasputin previu o futuro

Um pouco antes de morrer, também em 1916, Rasputin disse para o czar Nicolau II que se ele fosse morto por alguém envolvido com a coroa, a sua família seria morta pelo povo russo. Caso contrário, se fosse morto por conspiradores, Nicolau II e o seu filho seguiriam no poder. Em 1918 começou a Revolução Russa e toda a família real foi morta, para que não solicitassem o trono.

A fama continuou depois de morto

Uma mulher acabou encontrando o pênis de Rasputin e depois ele teria parado com um grupo de mulheres que moravam em Paris e consideravam um amuleto da sorte. Na sequência uma de suas filhas soube da história e solicitou a devolução do membro. Na década de 1970 a filha morreu e o pênis quase foi a leilão, só que na verdade era um pepino do mar. Em 2004 teria reaparecido e hoje está num museu.