Kingo Labs
Venenos mais perigosos do mundo
Home » Ciência » Venenos mais perigosos do mundo

Venenos mais perigosos do mundo

Ao longo da história da humanidade já foram inventados uma série de venenos, que normalmente surgem durante os períodos de guerra. Em alguns casos são utilizados para combater pragas em plantações e acabam tendo outras utilidades, algumas vezes macabras. Aqui iremos falar sobre os venenos mais forte já criados.

Sarin

O Sarin é considerado um dos venenos mais letais do mundo. Quando ele entra em ação no estado gasoso, causa insuficiência respiratória e a vítima perde o controle, apresentando fortes espasmos até falecer. Sua produção foi proibida em 1993, pois era considerada uma arma de destruição, que causa efeito como aceleração cardíaca, náusea e visão turva.

O Sarin é um líquido incolor e inodoro, com facilidade para ser transformado em gás. Não apenas a inalação faz mal para os humanos, como o vapor se entrar em contato com a pele. Acredita-se que o Sarin seja 500 vezes mais tóxico do que o cianeto. Sua descoberta aconteceu em 1938.

Oleandro

A planta Oleandro aparece frequentemente no ranking entre os venenos mais poderosos do mundo. Considerada exótica, é preciso ter muito cuidado durante o seu manuseio, já que com apenas uma folha a pessoa pode morrer. Assim que entra em contato com um ser humano, a pessoa passa a emitir sintomas como vômitos, diarreia, vertigem e irritação na pele.

Quando adulto, o Oleandro pode medir entre três e cinco metros de altura. Suas folhas são nas cores branca, rosa ou vermelha, dependendo da espécie. Tem como princípios a oleandrina e a neriantina. A planta é originária do norte do continente africano, também do Sul Asiático e do leste do Mediterrâneo, sendo bastante cultivada no Brasil.

Estricnina

Lançado como um pesticida, principalmente para o combate aos ratos, a Estricnina passou a ser proibida em diversos países do globo, já que é bastante tóxica, podendo levar pessoas e animais ao óbito, devido a asfixia, atingindo os sistemas nervoso e central. É praticamente impossível dissolver em água, sendo necessário solventes fortes.

É produzido por meio de sementes de algumas árvores da espécie Nux Vomica, encontradas no Sri Lanka, Austrália e Índia. Uma pessoa em contato com esse veneno poderá ter convulsões, ansiedade, tremor, vômitos e febre alta. No passado, pequenas doses eram utilizadas em alguns tratamentos estomacais, algo que foi abandonado devido ao avanço da medicina.

Toxina Botulínica

Esse veneno é bastante utilizado hoje em dia, em pequenas doses, para a aplicação do botox. É uma substância capaz de levar os músculos a paralisia total, sendo considerada fatal para quem ingerir acima de 1 nanograma. Em relação aos tratamentos de beleza, a substância é congelada a vácuo e esterilizada.

Testes com esse produto começaram no fim da década de 1960, com o oftalmologista americano Alan B. Scott, que em 1973 publicou um dos primeiros estudos sobre o assunto. Ao longo desta década a Toxina Botulínica foi se desenvolvendo, e passando a ser aplicada no uso terapêutico.

Polônio

Quem for envenenado por Polônio estará fadado a morte, pois ainda não foi descoberta uma cura para este produto. Estudos sugerem que com 1 grama desse material é possível exterminar 1,5 milhão de pessoas. É considerado um elemento químico, com o símbolo Po na tabela periódica, sendo descoberto em 1898 por Pierre e Marie Curie.

É considerado um dos elementos mais raros do planeta, sendo produzido pela desintegração do átomo de urânio. A cada tonelada de urânio, há somente cem milésimos de Polônio. No Brasil é possível encontrar nas areias de Guarapari (ES). Quando entra em contato com um corpo humano, rapidamente libera energia, destruindo as células, causando uma morte lenta.

Maitotoxin

Outro elemento entre os venenos mais letais do planeta é a Maitotoxin, que é formada por plânctons marítimos, causando uma rápida insuficiência cardíaca assim que ingerida. Quem consome peixes ou outros alimentos de origem marinha poderá ser contaminado. Sua origem ainda não é muito conhecida, causando dificuldade nos estudos.

A partir de 1996, um grupo de cientistas passou a reunir esforços para sintetizar a molécula da Maitotoxin, porém, o projeto acabou sendo suspenso devido à falta de recursos para as pesquisas. Seus efeitos são sentidos por meio de aumento no fluxo de íons cálcio, e na membrana do músculo cardíaco, que passa a ficar insuficiente.

Mercúrio

Outro elemento químico de nossa lista, que pode causar diversos problemas para a saúde de quem entrar em contato é o mercúrio. Metal líquido em sua temperatura ambiente, passa a ser cada vez mais perigosos conforme é transformado em vapor. Se entrar em contato com um ser humano pode levar essa pessoa a morte.

Ele é um líquido inodoro, ou seja, não possui cheiro. Foi descoberto na Grécia antiga, sendo considerado um dos primeiros elementos químicos a ser estudado. É comum ser encontrado em termômetros, barômetros e lâmpadas fluorescentes. As maiores reservas de mercúrio ficam na Espanha, sendo obtido pelo desgaste natural da crosta terrestre.

Batracotoxina

Essa substância pode ser encontrada em alguns tipos de sapo, sendo uma das mais tóxicas já descobertas no planeta. Normalmente encontrada na Colômbia, foi bastante utilizada por indígenas, que costumavam colocar nas pontas de suas flechas para matar seus alvos, tendo dosagem letal em 100 microgramas.

Ainda não foi desenvolvido um antidoto contra esse tipo de veneno, sendo possível minimizar os sintomas com hematocinese, ainda assim é necessária a transfusão de sangue para acabar com os resíduos do produto. Tem efeito letal já que impede o a passagem de impulsos nervosos para os músculos.

Mostarda de Enxofre

Esse veneno teve grande destaque durante a Primeira Guerra Mundial, já que era lançado por meio de ataques aéreos, deixando grandes estragos. Assim que entra em contato com um ser humano, provoca profundas lesões pelo corpo, levando a morte por asfixia. É considerada uma arma química.

Teve origem em 1922, por César-Mansuète Despretz, sendo descrita como uma substância tóxica somente em 1860, por Albert Niemann. Pode levar a cegueira, abertura de poros na pele, rompimento de vasos sanguíneos e a morte em até cinco minutos. Dependendo do nível de contaminação, as queimaduras podem ser de terceiro grau.