Kingo Labs
O Brasil foi descoberto por acaso mesmo?
Home » História » O Brasil foi descoberto por acaso mesmo?

O Brasil foi descoberto por acaso mesmo?

A história oficial indica que Pedro Álvares Cabral teria se perdido no caminho para as Índias e chegado ao Brasil por acaso. Mas essa história tem sido discutida por historiadores que afirmam não ter sido bem assim. Eles não questionam a data, mas sim o método de chegada até as nossas terras. Quer saber mais sobre esse assunto? Confira a seguir.

Quando o Brasil foi descoberto?

Segundo a história oficial, a descoberta do brasil aconteceu no dia 22 de abril de 1500, quando uma frota de navios comandada por Pedro Álvares Cabral teria chegado na Ilha de Vera Cruz. Essas terras que foram descritas por Pero Vaz de Caminho hoje são partes do Nordeste do país.

A chegada dos portugueses não considera a presença dos povos indígenas como descobridores do território. Essa ação marcou o início da colonização nas terras tupiniquins. Esse descobrimento não teria sido realizado por acaso, como os professores ensinam nas aulas de história durante o ensino fundamental e o ensino médio.

Historiador português diz que descoberta não foi por acaso

Segundo o historiador português José Manuel Garcia, que escreveu o livro “Pedro Álvares Cabral e a primeira viagem aos quatro cantos do mundo”, o desejo do navegador não era de ir para o Ocidente, mas sim de verificar se existiam terras nesta região que poderiam pertencer a Portugal, também seguindo o Tratado de Tordesilhas.

De acordo com a responsável pelo departamento arquivístico e aquisições da Torre do Tombo, Fátima Ramos, a prova está no “achamento”, citado na carta de Pero Vaz de Caminha, que comprovaria algo que eles já imaginavam. A ordem para Cabral era a de desviar ao máximo do Ocidente e contornar a costa africana até chegar ao Oceano Índico.

Professor desmente a versão tradicional

Cabral chegou ao Brasil com 13 embarcações e 1400 homens, entre marinheiros, técnicos em navegação, escrivães, cozinheiros, padres e ajudantes. A viagem durou 45 dias, após partirem de Portugal no dia 9 de março de 1500. Naquela época cerca de 3 milhões de índios moravam aqui, distribuídos por diversas tribos ao longo do território.

Para o professor Paulo Chaves, esse aparato trazido pelos portugueses acaba com a visão tradicional sobre a descoberta do Brasil. “Na realidade, Portugal não descobriu o Brasil, ele ocupou, invadiu, submetendo dessa maneira diversas nações indígenas”, afirmou. Cita ainda que a ação deveria ser chamada de conquista e não de descoberta, porque já existiam nativos.

Já haviam passado pelo Brasil antes de 1500

Embora Cabral tenha chegado por aqui em 1500, existem relatos de outros navegadores que já teriam visitado as nossas terras. O primeiro deles supostamente teria sido o também português Duarte Pacheco Pereira, em 1498, que estaria identificando os territórios que pertenciam a Portugal ou a antiga Castela, seguindo o Tratado de Tordesilhas.

Outro navegador que teria passado pela costa brasileira foi espanhol Vicente Yáñez Pinzón, que teria chegado ao Cabo de Santo Agostinho, no litoral sul de Pernambuco no dia 26 de janeiro de 1500, essa viagem já foi comprovada como verdadeira e hoje é considerada a mais antiga da região.

Portugal sabia das terras desde 1492

Estudiosos sobre o assunto garantem que Portugal já tinha conhecimento das terras brasileiras desde 1492, quando o navegador Cristóvão Colombo passou pela América. Para a professora do curso de História da Universidade de Uberaba, Eliane Marquez, vários fundamentos colaboram para acabar com a história oficial.

A professora lembra que a esquadra de Cabral era mais fortalecida do que as comuns, que teriam vindo se isso fosse por acaso. Essa tropa seria a mais forte já enviada por Portugal ou Espanha. Ela cita também a carta de Pero Vaz de Caminha onde está escrito “aquilo que se esperava achar foi achado”, comprando sua visão sobre o tema.

Cabral ia para a Índia mesmo?

A história oficial conta que Pedro Álvares Cabral foi nomeado em 1500 para chefiar uma expedição à Índia. A ideia era aproveitar a rota recém descoberta pelo navegador Vasco da Gama, contornando a África. O objetivo seria encontrar iguarias preciosas e estabelecer relações comerciais com a Índia, superando o monopólio desse tipo de comércio, que ficava nas mãos de árabes, turcos e italianos.

A frota de navios se afastou do continente e veio parar do outro lado do Oceano Atlântico, por supostas correntes de vento. Assim que desembarcaram, pensaram ser uma grande ilha, então chamaram de Vera Cruz. Depois Cabral percebeu que era maior do que isso e então mandou um navio para avisar ao rei Manuel I. Essas terras estavam dentro do hemisfério português, segundo o Tratado de Tordesilhas, então logo foram apropriadas.

Povos nativos no Brasil

Assim que Cabral e sua turma desembarcaram por aqui, chamaram de índios os povos que encontraram, já que imaginavam ter chegado na Índia, ao menos é o que conta a história oficial. As terras onde hoje se situa o Brasil são ocupadas desde a Idade da Pedra, entre o Paleolítico e o Neolítico. Plantavam milho e mandioca e domesticavam alguns animais, como capivaras e porco do mato.

Assim que os portugueses atracaram na Bahia, aquela região era ocupada pelos tupinambás e pelos tupiniquins. Os tupiniquins chegaram a apoiar os portugueses durante o processo de colonização, enquanto os tupinambás foram aliados dos franceses que nos séculos XVI e XVII tentaram tomar parte de nosso território. As duas tribos tinham rituais onde comiam parte dos corpos de seus rivais.

Controvérsias em relação a data de descobrimento

Existem algumas controvérsias em relação a data que os portugueses teriam desembarcado em nosso país e finalmente descoberto as terras. Até 1817 era reconhecida a data como 3 de maio. Neste ano o padre Manuel Aires de Casal descobriu na carta de Pero Vaz de Caminha a verdadeira data. Essa carta foi trazida pela Família Real em 1808.

Em 1823 José Bonifácio queria abrir a Assembleia Constituinte no dia 3 de maio, para bater com a data de descobrimento do Brasil, já que ele não conhecia a publicação de seis anos antes. Em 1890 a imprensa citava o descobrimento como dia 22 de abril, mas um decreto indicava ser no dia 3 de maio. A polêmica chegou ao fim em 1930, quando Getúlio Vargas decretou ser em 22 de abril.